23/09/2022

 

Foi em meados dos anos 1980 que a família Garcias decidiu abrir uma pequena churrascaria entre a Cidade Baixa e a Orla do Guaíba. O ponto escolhido para a Churrascaria Garcias foi a esquina da Av. Praia de Belas com a rua Barão do Gravataí. Ali, próximo ao Centro Histórico, órgãos públicos, grandes parques, estádios de futebol, shoppings centers e o Lago Guaíba, o negócio acabou prosperando e crescendo para se tornar referência e tradição em Porto Alegre.

É na Churrascaria Garcias que atende o garçom Pastel, com mais de 30 anos de casa e é muito popular entre os clientes assíduos. Ou, então, que se comem deliciosos pedaços de fraldinha e costela - isso sem contar nos cinco tipos de carreteiro servidos no local desde sua fundação.

O caminho para o sucesso teve várias transformações, sendo que a primeira mudança foi de proprietário. Após 11 anos de sua fundação, o estabelecimento passou a ser administrado por Nedi Piovesani. Tendo experiência no setor de bares e restaurantes, o empresário avaliou que, tanto pelo ponto quanto pela proposta, o negócio poderia render bons frutos. Não à toa, que ele é o dono até hoje.

Depois de comprar o ponto,  Piovesani decidiu adquirir o imóvel onde a churrascaria estava instalada - e está até hoje. Em seguida, vieram outras novidades. “No começo, a Churrascaria Garcias era uma casa pequena, com poucos lugares. Hoje, temos espaço para 580 clientes”, conta Piovesani. A expansão se deu a partir da aquisição de imóveis ao lado da casa principal. 

O proprietário explica que a maneira de trabalhar também mudou. “No passado, trabalhávamos a noite toda, mas hoje direcionamos mais a um buffet executivo”, porque o restaurante passou a atender o público que circula ao longo do dia, devido ao comércio e serviços na região. Isso sem contar aqueles que aproveitam o domingo para passear na Orla do Guaíba. 

Atualmente o espaço, que tem uma filial no Jardim Ipiranga, trabalha com um buffet completo ao meio-dia, com carne assada na hora, e outro à noite, que é acompanhado de rodízio de pizza. Serve ainda uma grande variedade de pratos à la carte, como churrascos, carreteiros, massas, sopas, peixes e petiscos.

 Gás natural - Entre as particularidades da Churrascaria Garcias está o uso do gás natural da Sulgás para cozinhar, o que é feito há cinco anos. “Quando o gás natural chegou para nós, chegou muito competitivo e trouxe economia”, explica Piovesani sobre o primeiro motivo que levou a optar por essa fonte de energia. 

Outro ponto foi a facilidade de se adequar às regras estabelecidas pelo Corpo de Bombeiros para evitar incêndios e desastres. Conforme o proprietário, as normas para o uso de gás natural são mais simples e há menos burocracias a serem cumpridas. 

Há ainda uma vantagem que só aqueles que trabalham com a cozinha entendem. De acordo com Piovesani, o gás natural não mancha o fundo das panelas de preto, o que é, nas palavras dele, “uma mão na roda” para manter os utensílios sempre tinindo e prontos para o uso.

Além de produzir os alimentos com gás natural, a Churrascaria Garcias também usa o combustível para esquentar a água usada no dia a dia do restaurante e para produzir energia. “Temos energia fotovoltaica e, como complemento, temos um gerador que funciona à base do gás natural”, conta o proprietário. Conforme ele, a combinação trouxe economia e muitas vantagens para o negócio continuar a prosperar.

RECEITA

Carreteiro de charque (rende 3 porções)

Quando a Churrascaria Garcias ficava aberta madrugada adentro, um dos grandes sucessos da casa era o carreteiro. No início, era um dos pratos preferidos da madrugada, por ser mais leve e mais rápido do que o churrasco. Depois, quando a casa deixou de funcionar nesse período, o prato manteve a fama. Hoje, é feito com cinco tipos de carne, sendo o de charque um dos mais tradicionais.

Ingredientes

250 g de arroz
350 g de charque
½ cebola picada
1,7 l de água
Sal a gosto

Modo de fazer

  1. O primeiro passo é cozinhar e dessalgar o charque. Para isso, coloque a carne em ½ L de água, ferva e escorra. Repita o procedimento para tirar bem o sal.
  2. Em seguida, coloque uma panela em fogo alto, adicione óleo de sua preferência e refogue a cebola.
  3. Acrescente o charque e deixe fritar por alguns minutos.
  4. Adicione o arroz e 700 mL de água. Quando ferver, tempere com o sal, abaixe o fogo e deixe cozinhar até secar.